JOÃO DOMINGOS DE PINA: estamos satisfeitos com o grau de desempenho da PN em São Nicolau

Escrito por Editor JSN . Publicado em Grande Entrevista

O diretor nacional da Polícia Nacional concluiu no passado sábado uma visita de três dias à ilha de São Nicolau, inteirando-se do funcionamento das duas esquadras da ilha. João Domingos de Pina está satisfeito com o trabalho da PN em São Nicolau e garante que muito brevemente as duas unidades da ilha serão reforçadas com novos meios

 

Em entrevista exclusiva ao JSN, no final da sua missão a São Nicolau, o responsável máximo da Polícia Nacional observou que de uma forma geral o funcionamento das duas esquadras da ilha “é bom”. As esquadras da Ribeira Brava e do Tarrafal no dizer do nosso entrevistado estão razoavelmente bem apetrechadas em termos de meios, nomeadamente, com três viaturas cada, e todas operacionais.

JSN - A sua visita a São Nicolau está praticamente concluída. O que há a destacar sobretudo depois de se inteirar do funcionamento das duas esquadras da ilha?

João Domingos de Pina - De uma forma geral devo dizer que o funcionamento é bom, avaliamos positivamente o grau de desempenho do efetivos na Ribeira Brava e no Tarrafal. Neste momento, a nossa preocupação vai mais no sentido de ver a possibilidade de aumentarmos muito rapidamente os efetivos na esquadra do Tarrafal para que a PN possa ter uma melhor capacidade de desempenho e de dar resposta às demandas da população que são cada vez mais constantes.


Já tem em mente quantos efetivos a esquadra do Tarrafal pode vir a ter?

Não será muito, mas o suficiente para que a esquadra possa continuar a cumprir cabalmente a sua missão.


E quanto aos meios, que esperar?

Os meios consideramos que são suficientes. As duas esquadras estão neste momento com três viaturas cada, e todas operacionais, umas em melhor estado de conservação, mas todas a funcionar. Mas há também a preocupação de nos próximos tempos afetarmos as duas esquadras com moto4 e motocross para as atividades mais ligeiras e que exigem uma locomoção mais rápida da polícia no atendimento das ocorrências. Vamos tentar fazer brevemente no quadro dos projetos que temos estado a desenvolver no programa segurança solidária.


Dos novos agentes da PN, apenas um ficou em São Nicolau. Outros da ilha, julgamos mais três, foram destacados para outros comandos. Não seria uma mais-valia se os novos agentes ficassem em São Nicolau, sobretudo quando se sabe que agentes antes colocado na ilha foram recentemente transferidos e não houve recolocação.

Eu não estaria completamente de acordo, como se costuma dizer o santo de casa não faz milagres, mas não é esse o nosso propósito. Estes agentes não estão ainda distribuídos definitivamente, só vamos fazer a colocação definitiva daqui a mais ou menos 90 dias, tendo em conta que ainda temos dois cursos de formação que integram os elementos de várias unidades a nível do território nacional e vamos ter que fazer a reposição destes agentes que estão agora no curso, portanto aí estaríamos de facto a falar de uma repartição definitiva.


O policiamento de proximidade tem sido uma das bandeiras da Polícia Nacional. Insisto na questão dos novos agentes: se os naturais de cada ilha fossem destacados para as respetivas ilhas não ajudava a PN nesse trabalho junto das suas comunidades e ilhas?

Poderá ser que os agentes de São Nicolau venham a ser, definitivamente, colocados aqui.


Notou alguma insatisfação a nível do seu pessoal, sobretudo agentes, ou é matéria que quer guardar como segredo à imprensa?

De uma forma geral a motivação é boa, a nossa preocupação tem sido sempre no sentido de chamar a atenção de todos os efetivos da PN para o aspeto disciplinar, da hierarquia, e do comando, pois sabemos que onde existem homens há sempre dificuldades.
Sabemos também que ilhas como São Nicolau, não têm quadros suficientemente autónomos para garantir a segurança e temos que mandar alguém de outras ilhas para fazerem esses trabalhos, por isso há um certo desenraizamento e isso tem causado de facto alguma preocupação, nomeadamente, porque as pessoas preferem construir a sua vida na Cidade da Praia, em São Vicente ou em Santo Antão, por isso temos que tentar gerir da melhor forma essa situação, mitigando essas dificuldades, colocando os agentes com mais tempo de serviço nos lugares das suas preferências, mas estas são situações que não alteram o grau de performance do desempenho das autoridades policiais.


Então os dados que recebeu dos dois comandantes satisfaz?

Satisfazem. Poderá haver um ou outro aspeto que merece ser aperfeiçoado, mas de uma forma geral estamos satisfeitos com o grau de desempenho destas duas unidades.


Há uma outra crítica da sociedade no tocante aos agentes da polícia. Muitos dizem que para São Nicolau são destacados agentes com condutas pouco consentâneas com um agente da autoridade. Como defender a instituição PN dos sucessivos ataques quando agentes da PN têm comportamentos pouco cordiais?

Não há nenhuma ação da nossa parte que de facto poderá apontar neste sentido. São Nicolau também é parte do território nacional e merece toda a nossa consideração e respeito a nível da garantia da segurança e da tranquilidade da população e é por isso que de facto estamos cá para avaliar o que tem sido o grau de desempenho da Polícia Nacional nesta parcela do território nacional. Não se pode e nem passa pela cabeça de ninguém colocar pessoas menos qualificadas nesta ilha, aliás na PN no seu todo, só estarão quadros capazes, incorruptos, incorruptíveis e quadros que estão dentro do limite que consideramos ideal para um bom funcionamento, porque todo aquele que está fora do âmbito normal da disciplina e que não respeita a hierarquia humana não tem lugar na Polícia Nacional, logo não poderá estar também em São Nicolau.


É normal um agente da PN estar numa discussão de rua com um cidadão? Ou também o caso que aconteceu recentemente na ilha de um agente perder a sua arma de serviço, situações do tipo não mancham a imagem da Polícia?

Mancham e de que maneira. A indicação da instituição tem sido sempre no sentido de evitar comportamentos desta natureza, portanto todo e qualquer comportamento desse tipo é de inteira responsabilidade da pessoa que o tem, e nunca da direção da Polícia Nacional. Sempre que seja do nosso conhecimento, sempre que haja denuncia, a nossa preocupação tem sido no sentido de averiguar, assacar as responsabilidades e agir em conformidade com a lei.


Que novidades a ilha de São Nicolau pode esperar depois desta sua visita?

Depois da minha visita vamos de certeza ter uma revitalização do desempenho de todo o efetivo na ilha, vai haver muito brevemente o aumento do efetivo que tem consequências práticas na presença mais ostensiva das localidades, vamos estar em melhores condições de acudir as ocorrências e chamadas de emergência e vamos ter nos próximos tempos mais meios aumentado assim a capacidade de locomoção da Polícia Nacional na ilha de São Nicolau.

 



Anísia Campinha

 

 

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Edição em papel

Brevemente disponível
para download em PDF
(Gratuito)